Zulmira perdida na noite fria

4408818849_e13689411b

Então, ela via aquelas pessoas passando e repetindo gestos conhecidos, aquelas situações que há muito observava e que as devolvia, quase sempre, envoltas em metáforas para purificar a praça.

Uma espécie de dèjá vu em espiral. Agora ela compreendia que o retorno é eterno. As unidades vão e vêm para ocupar os papéis definidos: um arlequim, uma colombina, um palhaço de esquina, um líder, um zé ninguém…

Zulmira, a dama dos ratos, podia mudar seu destino e romper com o script original mas estaria apenas assumindo outro papel no teatro ao lado; na peça alheia que maternalmente lhe acolheria.

Ela se aquece agora na fogueira enquanto os mascarados avançam com suas tralhas e pretextos. O próximo ato flutua sobre as cortinas como uma nuvem,  psicodélica nuvem de velhas tempestades.

Um encontro consigo na confusão da rua. Entre cacos e restos de tudo: um olhar que não vê, uma lembrança descabida e Zulmira perdida na noite fria.

 

por Sérgio Araújo

Share
The following two tabs change content below.
Poeta e Professor.

Latest posts by Sérgio Araújo (see all)

One thought on “Zulmira perdida na noite fria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *